TESTE DA LINGUINHA. Por que fazer?

A Língua presa é uma alteração comum, mas muitas vezes esquecida.

Segundo Knox (2010), médica neonatologista da Universidade de Washington e membro da International Association of Tongue-Tie Professionals, a língua presa está presente desde o nascimento e ocorre quando uma pequena porção de tecido, que deveria ter desaparecido durante o desenvolvimento do feto, permanece na parte inferior da língua, impedindo seus movimentos. Uma vez que essa alteração pode ter um componente genético, quando for diagnosticada em um membro de uma família, é fundamental pesquisá-la tanto entre os parentes diretos como nos demais.

           Sem a língua presa                                                Com a língua presa
sem língua presa                                 com língua presa

O “Teste da Linguinha” tem como base o  “Protocolo de Avaliação do Frênulo Lingual para bebês: Relação entre aspectos anatômicos e funcionais”, elaborado pela fonoaudióloga Roberta Martinelli, durante seu mestrado na USP, e conta com o apoio e chancela da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa).

É importante a padronização da avaliação, isto é, que os profissionais que avaliam usem o mesmo protocolo, elaborado a partir de estudos científicos.

Apesar de a investigação da língua presa ser citada como rotina atual nas maternidades e consultórios, na prática não ocorre, especialmente pelo desconhecimento a respeito de suas implicações.

É oportuno ressaltar que bebês com língua presa mamam, mas cansam e não se saciam. Portanto, há um ciclo de alimentação ineficiente e estressante (o que pode levar ao desmame precoce). Normalmente são bebês que têm um intervalo muito pequeno entre as mamadas; além disso, as mães relatam incômodo para amamentar. Diversas publicações científicas nacionais e internacionais, dentre elas, Sethi et al (2013) e Walls et al (2014) demonstram a importância da intervenção precoce.

Tipos de Frênulos  línguais em bebês

    forma arredondada              ligeira fenda no ápice               formato de coração

Muitas pessoas com alteração de frênulo lingual sofrem com as consequências dessa alteração sem saber a causa. Dificuldades durante a amamentação, causando estresse para o bebê e sua mãe, dificuldade para mastigar, engolir, lamber sorvete, falar com distorção, afetando a comunicação e o relacionamento social e até beijar são exemplos das possíveis consequências de uma alteração do frênulo lingual.

Antigamente o diagnóstico da alteração do frênulo era realizado apenas por inspeção visual. Atualmente, com as recentes pesquisas, o diagnóstico e avaliação da língua presa podem ser feitos por profissionais qualificados e informados.

Existem graus variados de língua presa. Por isso é importante existir um teste que considere os aspectos anatômicos e funcionais para realizar um diagnóstico preciso, indicando ou não a necessidade de cirurgia do frênulo da língua. Contudo, a avaliação precoce é ideal para que as pessoas sejam diagnosticadas e tratadas com sucesso, evitando dificuldades em duas importantes funções: a alimentação e a comunicação.

teste-da-linguinha

 

Bibliografia

* Escrito por Roberta Martinelli

https://www.facebook.com/roberta.martinelli.5?fref=ts

Imagens: Acervo pessoal de Roberta Martinelli

*************************************************************************************************

Fan Page no Facebook

Para ajudar em sua pesquisa e consulta em Fonoaudiologia criamos uma Fan Page no Facebook. Nesta página, publicações serão expostas e comentadas em Educação Continuada, podendo estreitar perguntas e respostas e ainda tirar as muitas dúvidas de sua terapia fonoaudiológica. Venha participar você também!

Curta: https://www.facebook.com/fonoaudiologiaericasitta

*************************************************************************************************

2 respostas em “TESTE DA LINGUINHA. Por que fazer?

  1. Tenho um filho que nasceu com síndrome down! E ele fica muito com a boca aberta, a língua não está pra fora! Gostaria de exercícios que ele pudesse manter a boca fechada.

    • Oi Cecília, obrigada por sua visita!
      Não consigo te dar um exercício específico para seu filho se eu não souber da avaliação fonoaudiológica dele. Por exemplo: se ele tiver a boca aberta devido a respiração ser oral é uma abordagem a ser trabalhada; se ele ficar com a boca aberta apenas por flacidez muscular… já é outro trabalho fonoaudiológico.
      Te oriento a procurar um fonoaudiólogo em sua cidade para te ajudar. Leve seu filho para uma avaliação. E se mesmo assim tiver dúvidas, poderemos conversar mais.
      Abraços
      Erica Sitta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s