Terapia de Fala II – Componentes articulatórios dos fonemas

A seguir uma descrição dos principais requisitos para a produção de cada fonema e de algumas estratégias para a instalação de sua aquisição.

Componentes articulatórios dos fonemas

  • p ,b, m

O elemento comum e básico para a articulação destes sons é a oclusão da boca. os músculos da mastigação fecham a mandíbula de forma que os dentes posteriores ficam próximos, mas não juntos uns dos outros, permitindo a ampliação do espaço intra-oral e facilidade de trabalho para o orbicular, que deverá manter os lábios unidos. Para o /p/ e /b/ deve haver perfeita oclusão da passagem para a rinofaringe, enquanto para o /m/ o ar flui, em parte, por ela. A posição de língua não é importante nesta articulação, variando com o fonema que segue estes sons.

  • k, g

O aspecto essencial para a produção destes sons é o contato entre a parte posterior da língua e o palato, de forma a constituir-se uma barreira ao ar expirado. Isto é conseguido pelo alargamento e elevação do terço posterior da língua. O ponto de contato entre esse órgão e o palato varia de acordo com a vogal que segue estes sons, assim como a abertura e configuração dos lábios é influenciada por elas. Para o /k/ a passagem para rinofaringe está fechada, enquanto para o /g/ está aberta.

  • t, d, n, ƞ

O aspecto básico para a articulação destes sons é a formação de uma câmara na porção superior da cavidade bucal, tendo como limite inferior a língua em contato com as paredes internas dos dentes superiores. O  lugar exato de contato entre a línua e o palato não é básico para a produção destes fonemas, que podem inclusive ser produzidos com a ponta da lígua fora do limite das arcadas ou apoiada atrás dos incisivos inferiores, efetuando-se a oclusão com o dorso da língua.

  • s, z

As condições articulatórias essenciais para a produção destes sons é a criação de certas circunstâncias que possibilitem a produção de um turbilhão de grande velocidade no momento da expiração. Para a formação deste turbilhão, é necessário que o ar, contido em uma câmara formada pela parte posterior da língua e palato, seja pressionado por um estreito canal formado pela região anterior do palato e o dorso da língua sobre a qual se produz um sulco longitudinal, até colidir com a superfície cortante dos dentes incisivos. A mandíbula está afastada o suficiente para facilitar o escape do ar. oas lábios assumem a configuração requerida pela vogal que seguem estes sons.

  • ʃ, Ʒ

As condições mínimas articulatórias para a realização destes fonemas são semelhantes às anteriores, com exceção do sulco sobre o dorso da língua, que se aplana em virtudes do movimento de retração e alargamento de sua região anterior. Desta forma, a superfície do atrito do ar com a região das pregas alveolares passa ser maior e mais acentuada.

  • f, v

o contato labiodental é produzido por um pequeno movimento para dentro do lábio inferior. O contato entre lábio inferior e dentes superiores é débil, permitindo o escape do ar entre ambos. Nestas produções, apenas o contato entre lábio inferior e dentes superiores é pertinente.

  • l, ʎ

Na realização destes sons, a posição da mandíbula e dos lábios varia de acordo com a vogal que os sucede. O aspecto essencial nestas realizações é a obstrução central da saída do ar que se dá pela região lateral. As regiões da língua e do palato que entram em contato não são relevantes para a produção.

  • r, R

O aspecto básico requerido para a realização destes fonemas é o bloqueio da corrente aérea em um determinado porto da cavidade bucal, através do contato da língua com o palato e a interrupção momentânea desse bloqueio pela pressão aérea que se forma atrás dele. O caráter de vibração é obtido pelo número de sucessão destes movimentos. Assim sendo, é essencial para estas realizações: o bloqueio da corrente aérea expiratória, a pressão formada por ele, o rompimento do bloqueio e o reinício do mesmo após a redução da pressão.

Fan Page no Facebook

Para ajudar em sua pesquisa e consulta em Fonoaudiologia criamos uma Fan Page no Facebook. Nesta página, publicações serão expostas e comentadas em Educação Continuada, podendo estreitar perguntas e respostas e ainda tirar as muitas dúvidas de sua terapia fonoaudiológica. Venha participar você também!

Curta: https://www.facebook.com/fonoaudiologiaericasitta .

Bibliografia

Spinelli VP, Massari IC, Trenche MCB. Temas em Fonoaudiologia. 9ª ed.
São Paulo: Loyola; 1989. Cap. Distúrbios Articulatórios.

4 respostas em “Terapia de Fala II – Componentes articulatórios dos fonemas

  1. Dra. Erica muito obrigado por compartilhar seus conhecimentos!
    “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina” (Cora Carolina.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s