Terapia de Fala I – Seleção dos fonemas

A partir do levantamento e análise de como se apresenta o quadro fonêmico do paciente, dever-se-á programar a sequência de trabalho com os fonemas que seja mais adequada para ele, considerando-se suas facilidades e dificuldades.

Existem alguns critérios que poderão ser úteis na escolha dos fonemas a serem trabalhados inicialmente:

  • Quando o paciente for ouvinte e apresentar apenas alguns fonemas pode-se seguir a aquisição normal do sistema fonêmico pelas crianças em geral, sendo comum iniciar com as nasais, depois plosivas, fricativas, líquidas e grupos.

 ,   ,   , etc.

Veja descrição dos fonemas em https://ericasitta.wordpress.com/wp-admin/post.php?post=944&action=edit.

  • Deve-se também, ao escolher o fonema, levar-se em conta quais são aqueles que, omitidos ou substituídos, estão prejudicando mais a inteligibilidade da fala do paciente.

Dessa forma, deve-se procurar agir mais rapidamente sobre as áreas que estão dando maior prejuízo na inteligibilidade da fala do paciente, para que correções ou aquisições de alguns fonemas já revertam em melhor compreensão de sua fala e, consequentemente, recompense seus esforços.

  • Sempre é melhor e mais recompensador que o trabalho se inicie com o treino dos fonemas instáveis do sistema. Se o paciente ora os produz, ora não, terá mais facilidade e rapidez em utilizá-los, do que adquirir um fonema ausente.

  • Dentre os fonemas a serem primeiro trabalhados, aconselha-se começar por aqueles que o paciente demonstrar maior facilidade em conseguir realizar. Essa facilidade terá sido percebida, quando, na avaliação de sua fala, por estimulação auditiva mais intensa ou por repetição, o paciente tiver conseguido realizar os fonemas uma ou mais vezes a contento.

Fan Page no Facebook

Para ajudar em sua pesquisa e consulta em Fonoaudiologia criamos uma Fan Page no Facebook. Nesta página, publicações serão expostas e comentadas em Educação Continuada, podendo estreitar perguntas e respostas e ainda tirar as muitas dúvidas de sua terapia fonoaudiológica. Venha participar você também!

Curta: https://www.facebook.com/fonoaudiologiaericasitta .

Bibliografia

Spinelli VP, Massari IC, Trenche MCB. Temas em Fonoaudiologia. 9ª ed.
São Paulo: Loyola; 1989. Cap. Distúrbios Articulatórios.

Esse post foi publicado em Fala e marcado , , , , , , por Erica Sitta. Guardar link permanente.

Sobre Erica Sitta

Sou Fonoaudióloga formada pelo Centro Universitário de Araraquara (UNIARA). Pós-graduada em Motricidade Orofacial; Atuação em Motricidade Orofacial em casos Odontológicos; Voz; Neurociência e processo de envelhecimento cerebral pela Universidade de São Paulo (FOB/USP). Formação em Thai Massagem, Massagem com pedras frias e quentes e também em Bambuterapia. Pós-graduada em Biopsicologia: Ciência do corpo e da mente pelo Instituto Visão Futuro. Mestre em Ciências (Atuação em Saúde Coletiva) pela Universidade de São Paulo (FOB/USP). Professora de Hatha e Tantra Yoga.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s