Terapia em deglutição II – Manobras utilizadas na reabilitação

A primeira diferenciação dentre os problemas da deglutição é identificar se
a alteração encontrada é uma atipicidade ou uma adaptação do ato de deglutir (https://ericasitta.wordpress.com/2012/05/07/qual-a-diferenca-entre-degluticao-atipica-e-degluticao-adaptada/).

Para a avaliação e terapia aconselha-se consultar o protocolo de avaliação e procedimentos terapêuticos de Furkim e Silva, além do material elaborado por Furkim e Santini, 2001.

A conscientização é o trabalho no qual o paciente aprende como é a deglutição normal, o que seriam as possíveis alterações e quais alterações ele realiza. Não se pode esquecer de mencionar, que sem a conscientização e propriocepção das estruturas e função que vão ser trabalhadas, não haverá modificação e automatização.

Vejamos algumas manobras utilizadas na reabilitação de alterações da deglutição, seja ela atípica ou adaptada.

Estimulação sensorial térmica, tátil e gustativa:

O objetivo é trabalhar a adequada percepção dos estímulos eliciados em região extra-oral e em região intraoral.

A partir da estimulação térmica e tátil são estimuladas as regiões intra-orais. A estimulação digital é um bom exemplo de uma Técnica de Indução. Nesta técnica, o paciente é estimulado em um ponto específico da região intra-oral em geral, com alimento real ou com instrumentos de avaliação.

  • COMO FAZ?

A água, por ser de fácil acessibilidade, pode ser aquecida ou refrigerada e utilizada no teste da sensibilidade térmica. Com a utilização de um frasco com água quente (aquecida) e outro com água fria (com gelo) fazer a verificação da sensibilidade térmica das regiões  intra-orais. Molhar o espelho explorador odontológico (tamanho zero) no frasco quente e encostar na região escolhida, após, molhar no frasco frio e testar novamente.

      

Para avaliar a sensação cutânea pode-se utilizar palito de dente, diagnosticando a identificação ou não do estímulo apresentado. Porém havendo necessidade de aprofundamento aconselha-se o kit de monofilamentos de Semmes-Weinstein (de nylon) – conhecido como Estesiômetro – ao qual permite identificar melhora, piora ou estabilidade do quadro, alterações de sensibilidade antes da perda da sensibilidade protetora e indicar a melhor conduta terapêutica – objetivando o diagnóstico.

         

Para  estimular a percepção gustativa podem ser utilizados sabores amargos, azedos, doces e salgados.

  • COMO FAZ?

Em 4 compartimentos separados colocar uma porção de cada sabor. Para amargo utilizar pó de café, para azedo vinagre, para doce açúcar e para salgado o sal.

    

Exercícios para controle oral do bolo:

Deverão ser trabalhados os lábios e a língua melhorando sua mobilidade e força. Para tanto utilizamos alimento envolto por gaze  (amarrado com fio dental) e este deve ser manipulado pelo paciente de forma precisa quando solicitado pelo terapeuta.

Exercício para melhorar a elevação da laringe:

A musculatura extrínseca da laringe deve ser trabalhada para melhora de força e elevação com a manobra de Shaker. Nesta manobra o paciente deitado sem travesseiro deve levantar a cabeça e olhar os próprios pés sem tirar os ombros da cama (aumentando a eficiência dos mecanismos de proteção das vias aéreas).

Fan Page no Facebook

Para ajudar em sua pesquisa e consulta em Fonoaudiologia criamos uma Fan Page no Facebook. Nesta página, publicações serão expostas e comentadas em Educação Continuada, podendo estreitar perguntas e respostas e ainda tirar as muitas dúvidas de sua terapia fonoaudiológica. Venha participar você também!

Curta: https://www.facebook.com/fonoaudiologiaericasitta .

Bibliografia

FURKIM, A.M.; SILVA, R.G. Programa de reabilitação em disfagia neurogênica. São Paulo, Frôntis Editorial, 1999, 53p.

FURKIM, A.M.; SANTINI, C.S. Disfagias Orofaríngeas. Carapicuíba, Pró-Fono departamento editorial, 2001, 340 p.

MACEDO,E.D.: GOMES, G.: FURKIM, AM. – Manual de cuidados ao paciente com disfagia. São Paulo, Editora Lovise, 1999.

MARCHESAN> http://www.cefac.br/library/artigos/0df43f541a3bf5b43f037097eaa631f3.pdf

12 respostas em “Terapia em deglutição II – Manobras utilizadas na reabilitação

  1. Iniciei estes treinamentos e notei sensível melhora na deglutição e percepção gustativa. Parabéns.

  2. Excelente, no dia a dia já venho realizado essa técnica e averíguo evolução dos pacientes.

  3. Amo seu site!!!!
    Pode me ensinar técnicas para trabalhar com meu filho. Uma criança de 6 anos. Sem controle cervical, que se alimenta via oral, consistência pastosa. Sempre deglutiu muito bem, usamos o pastoso para evitar engasgos, pq ele não mastiga, apenas amassa.
    Gostei do estímulo gustativo, vou usar isso. Percebo que ele deglute o que é gelado, mais rápido, algum motivo específico?! Bjs e obrigada

    • Olá Márcia,
      Que bom ter te ajudado. É difícil orientar algum caso sem ter feito avaliação e ter o diagnóstico. Não sei se seu filho faz acompanhamento fonoaudiológico, seria bom se ele tivesse essa reabilitação.
      Sobre ele engolir o gelado mais rápido, pode ser que a percepção do seu filho para este tipo de alimento seja melhor.
      Volte sempre!
      Abraços
      Erica Sitta

  4. Oi Érika! Muito muito dessa matéria e gostaria de saber mais sobre o estesiometro? Nunca vi! Onde compra e como usa? Obrigado pela atenção Edenilze

    • Olá Edenilze.
      Eu acho mais fácil de comprar pela internet. E seu uso é feito de acordo com o tamanho dele, existe do mais grosso para o mais fino. Basta apenas tocar na pele do paciente para ver se ele sente, não sentiu aumenta o tamanho, sentiu diminui.
      Abraços
      Erica Sitta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s