Avaliação da Respiração pelo Espelho de Glatzel

Embora existam exames instrumentais como a rinomanometria (medição do fluxo aéreo transnasal) e a rinometria acústica (cálculo da área transversal intranasal em toda sua extensão) (ROITHMANN, COLE, CHAPNIK et al., 1995), o espelho de Glatzel é usualmente empregado na avaliação clínica fonoaudiológica para caracterização dos ciclos respiratórios, uma vez que apresenta facilidade de manuseio e baixo custo.

O espelho de Glatzel (EG) caracteriza-se como um instrumento objetivo de avaliação da permeabilidade nasal. Consiste em uma placa de metal polida e graduada que, ao ser posicionada sob as narinas, condensa o vapor d’água do ar expirado. A área embaçada é então mensurada e a avaliação da função nasal pode ser realizada (HUNGRIA, 2000). Apesar disso, o espelho mostra-se ser um instrumento valioso no rastreamento inicial da obstrução nasal e da respiração predominantemente oral (BRESCOVICI, ROITHMANN, 2008).

Vale ressaltar que, na função do ciclo nasal fisiológico, sucedem alterações periódicas da permeabilidade nasal.  Esse ciclo resulta em significativa variabilidade nas medidas de fluxo nasal unilateral, em um lado aumenta e no outro diminui (HASEGAWA, KERN, O’BRIEN, 1979). O fluxo aéreo total, contudo, tende a permanecer mais ou menos constante (HASEGAWA, KERN, 1978; COLE, ROITHMANN, 1996; HUANG, ONG, GOH et al., 2003).

Para a medição da mancha de condensação nasal deve-se posicionar a placa metálica horizontalmente sob as narinas do avaliado, lembrando-se que o ponto zero do espelho deverá manter-se sob a columela nasal.

Ao utilizar o EG na avaliação da permeabilidade nasal, o contorno da condensação deverá ser medido no seu eixo maior e menor, do lado esquerdo e direito. A partir do ponto zero até o de maior comprimento obtém-se o eixo maior, e, o eixo menor pela marcação perpendicular a este. Para tais medidas, pode-se utilizar um paquímetro ou sempre a mesma régua. Sugere-se a utilização da média de três a cinco registros (eixo maior), atentando à postura corporal e de cabeça (FISHER, PALMER, LUND, 1995).

A recomendação de instruções quanto à respiração lenta e manutenção dos olhos fechados são viáveis para se evitar um possível comportamento de gratificação do avaliado, aumentando ou diminuindo o fluxo aéreo expiratório.

É preferível que a primeira condensação seja desprezada e a segunda marcada com caneta para retro projetor no próprio espelho e depois copiada por transparência para papel padrão (MARCHESAN, 1998).

Quanto às características do instrumento, pode-se citar o cuidado com a manipulação do mesmo e a coleta na segunda expiração do voluntário, evitando o aquecimento da placa (BRESCOVICI, ROITHMANN, 2008). A obliquidade da avaliação é a não fixação da condensação no EG, pois o fluxo aéreo é dinâmico e se transmite para a área de condensação nasal, ou seja, rapidamente desaparece e fica à mercê do avaliador.

Bibliografia

Roithmann R, Cole P, Chapnik J, Shpirer I, Hoffstein V, Zamel N. Acoustic rhinometry in evaluation of nasal obstruction. Laryngoscope. 1995;105:275-81.

Hungria H. Otorrinolaringologia. 8. ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000.

Brescovici S, Roithmann R. A reprodutibilidade do espelho de Glatzel modificado na aferição da permeabilidade nasal. Rev Bras Otorrinolaringol. 2008;74(2):215-22.

Hasegawa M, Kern EB, O’Brien PC. Dynamic changes of nasal resistance. Ann Otol Rhinol Laryngol. 1979;88:66-71.

Hasegawa M, Kern EB. Variations in nasal resistance in man: a rhinomanometric study of the nasal cycle in 50 human subjects. Rhinology. 1978;16:19-29.

Cole P, Roithmann R. Rhinonmnometry. In: Gershwin ME,IncaudoGA, editors. Diseases of the sinuses.Totowa,NJ: Humana Press; 1996. p. 451-68.

Huang ZL, Ong KL, Goh SY, Liew HL, Yeoh KH, Wang DY. Assessment of nasal cycle by acoustic rhinometry and rhinomanometry. Otolaryngol Head Neck Surg. 2003;128:510-6.

Fisher EW, Palmer CR,LundVJ. Monitoring fluctuations in nasal patency in children: acoustic rhinometry versus rhinohygrometry. J Laryngol Otol. 1995;109:503-8.

Marchesan IM. Avaliação e terapia dos problemas da respiração.Em Marchesan IM. Fundamentosem Fonoaudiologia. Riode Janeiro: Guanabara; 1998. p. 23-36.

2 respostas em “Avaliação da Respiração pelo Espelho de Glatzel

  1. Muito explicativo esta publicação.
    Parabéns, amo e recorro sempre à suas publicações!★★★★★

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s